Afinal a vida foi,é...e será sempre um desafio na sequência sólida de percorrer caminhos que se ajustem à reflexão equilibrada e tolerante, onde os projetos nunca acabem, e se definam cada vez mais naquilo que queremos ser, e não no que os outros querem que nós sejamos...
Perceber que refletir e concluir são atos que não podem estar confinados apenas ao reflexo daquilo que experimentamos sozinhos, ou obcecadamente vemos nos outros,caindo assim na tentação de criar verdades absolutas agarradas a pressupostos com falta de equilíbrio identificativo da nossa própria vontade...
Não podemos nem devemos querer para os outros aquilo que foram momentos nossos,e ajustados apenas e só para nós próprios...
Fazer crescer é educar e tentar ser amigo,é procurar limar com valores acrescentados os passos próprios de uma imaturidade pela qual quando jovens naturalmente passamos,e ou se está bem atento,ou então ficamos apenas por nossa conta,e isso pode ser muito perigoso...
Sinto sinceramente que os "meus" me olham com a admiração de quem foi livre de escolher o seu próprio caminho,com responsabilidade e dispensando cópias comportamentais,mas entendendo que a partir de uma "base experimentada" também podemos ramificar genuinamente o nosso próprio"eu"...
Só se vive uma vez,e tirar originalidade a um ser,é limitar as emoções que estavam reservadas para cada um,e isso eu penso que não é justo...

Custódio Cruz

Aprender com a nossa sombra,e fixar os olhos em outras...

Aprender com a nossa sombra,e fixar os olhos em outras...

sexta-feira, 12 de maio de 2017

Aparição ou Visão,ou a vida,e a diferença entre o bem e o mal...


Discute-se agora,se o que aconteceu em Fátima foram APARIÇÕES ou VISÕES,enfim,sempre aquela tendencia humana para desvalorizar a fé,e limitar o mundo ao destino físico das coisas,muitas vezes alicerçando obcecadamente uma vontade de artificialização do sonho,pela falta de coragem de erguer nas suas reflexões aquilo para o qual não é solução para conquistas retilintas,que acomodam,distribuem poder,e não arvoram os sentimentos.
Sentir,é um ato que imana sempre do silencio,que nasce na confrontação entre o interior e exterior de um ser,onde muitas vezes o exteriorizamos na certeza do que vimos,e em outras,não revelamos a partir dali as dúvidas que nos assolam a alma,resguardando assim a nossa impotência e falta de coragem para lidar com a humildade,e na aproximação para com quem representa o bem,e se importa com quem à sua volta se envolve na conquista de uma felicidade que se alargue ao mundo.

Muitas vezes,assumimos dois mundos,e até nos deixamos convencer pelo mais fácil,o certo mesmo,é que é neste que mais nos esquecemos das dúvidas provocadas pela paz refletiva,e nem tempo evidenciamos para entender se na escada da vida se galgam aventuras só por si mesmas,ou se na vontade de vencer por todos,é que se ergue o acreditar numa luz que vem de dentro de nós,e nos leva espontâneos a direcionar os olhos para o céu.
Uns acredito,mentalizados o façam,mas outros,perdidos se encontram num espaço onde sentem a falta de respostas para o que não se atreveram a percorrer,e quando o fizeram,nunca por nunca também "se deixaram tocar "pela possibilidade de serem surpreendidos.e tudo porque a matemática responde de forma exata,a ciência reúne o conjunto de reações explicativas,e pouco importa se a diferença humana que se regista ao longo do tempo,contraria de todo as certezas de um mundo que cada vez menos se encontra.
Então,algo está mal,certo?


E foi por culpa "do bem" em que não acreditam,ou da falta dele nos seus trajetos?
Pronto,não querem ser católicos,porque outras religiões são mais acertadas,ou mesmo,preferem ser agnósticos,porque não acreditam em milagres,ora porque também pela simplicidade no acreditar,não vivem a diferenciar o bem e o mal,e optam pela tranquilidade das suas próprias consciências?

Vivo ao lado de uma igreja católica,e até ali,é verdade que uns se confundem com os outros,talvez por isso não sinta o desejo de lhe aceder,pela revolta para com uma hipocrisia de formalismo social, que não se coaduna na forma como batem com a mão no peito.
O Bem e o mal,são as duas opções que maior desafio lançam ao ser humano,e se "os rótulos" os dividem,pois que se reconheça a essência das diferenças que os podem diferenciar,e logo,o mundo sorrirá com um brilho alargado e ao encontro de quem o quiser abraçar na verdadeira acepção da palavra.
O Papa Francisco,não engana,porque não esconde,e deixa ler na face a natureza dos seus sentimentos,não desiste,e desafia cada canto do mundo a tornar-se num lugar melhor,vive lado a lado com a humildade,e revela-a como o maior segredo que Deus concede ao ser humano,no respeito que por todos tem,não obriga ninguém a seguir o seu caminho,mas sim a gerar o caminho que sirva a todos.

No desígnio de louvar a fé,de não a deixar sucumbir nas garras do mal,atreve-se e acredita na
canonização dos Pastorinhos,sente aquilo que não se explica,mas que até tem duas opções,vive para um dia morrer na presença,mas deixando um legado que espalhe convictas no reconhecimento a sua devoção com que se entregou na defesa da harmonização do mundo.
Bem vindo,Papa Francisco,ao Santuário de Fátima,que todos os que lá estiverem sintam o bem da tua  "APARIÇÃO",e não a VISÃO que sustente o mal de quem não te consegue "tocar"...
custcruz