Afinal a vida foi,é...e será sempre um desafio na sequência sólida de percorrer caminhos que se ajustem à reflexão equilibrada e tolerante, onde os projetos nunca acabem, e se definam cada vez mais naquilo que queremos ser, e não no que os outros querem que nós sejamos...
Perceber que refletir e concluir são atos que não podem estar confinados apenas ao reflexo daquilo que experimentamos sozinhos, ou obcecadamente vemos nos outros,caindo assim na tentação de criar verdades absolutas agarradas a pressupostos com falta de equilíbrio identificativo da nossa própria vontade...
Não podemos nem devemos querer para os outros aquilo que foram momentos nossos,e ajustados apenas e só para nós próprios...
Fazer crescer é educar e tentar ser amigo,é procurar limar com valores acrescentados os passos próprios de uma imaturidade pela qual quando jovens naturalmente passamos,e ou se está bem atento,ou então ficamos apenas por nossa conta,e isso pode ser muito perigoso...
Sinto sinceramente que os "meus" me olham com a admiração de quem foi livre de escolher o seu próprio caminho,com responsabilidade e dispensando cópias comportamentais,mas entendendo que a partir de uma "base experimentada" também podemos ramificar genuinamente o nosso próprio"eu"...
Só se vive uma vez,e tirar originalidade a um ser,é limitar as emoções que estavam reservadas para cada um,e isso eu penso que não é justo...

Custódio Cruz

Aprender com a nossa sombra,e fixar os olhos em outras...

Aprender com a nossa sombra,e fixar os olhos em outras...

terça-feira, 21 de junho de 2016

Os vícios Lusitanos...no prazer do fio da navalha...


Tenho andado arredado dos "saltos da bola",e a razão é a merda da mentalidade que tomou conta das vidas de todos nós,"deixamo-nos" levar por padrões de conduta,optamos pelo facilitismo na obtenção da razão,criamos ídolos,que se tornam intocáveis á luz de uma imagem gravada,sim... por uma história de mérito,mas a quem nada mais exigimos por sabermos que estão carregados de um poder instituído,e que os protege de forma perfeitamente hipócrita.
Portugal empatou com a Áustria,e vai daí,e passados alguns momentos depois,já o Fernando Santos,é um "asno",e nada percebe de Futebol.
Afinal,num jogo onde Portugal atirou duas bolas aos postes,falhou um penalty,e depois de insistir na procura de uma vantagem que se justificou por demais,e materializada em outras oportunidades de golo,chega-se à conclusão que "os sapatos" do Mister é que foram mesmo os inadequados para aquele jogo.
Enfim,dizer-vos que também não concordo porque Vieirinha faz tantas asneiras,e não se dá uma oportunidade à opção alternativa,ou porque Moutinho só corre,e pouco produz,e não se joga na motivação de Renato Santos ou Adrien Silva, para formatar uma estratégia mais ou menos ofensiva consoante as necessidades,e já agora,que também não entendi porque no primeiro jogo o Quaresma não jogou logo a titular,e lhe foi exigido um esforço superior na recuperação daquilo que não se estava a conquistar,não deixam de ser opiniões tao válidas quanto subjetivas,e em futebol,ou na vida,o que pode decidir para o arremesso teórico de quem está por fora,é a materialização concreta do objetivo do jogo,e aí já disse tudo,Portugal não ganhou,porque não marcou.
Até o pacóvio do Guarda-redes Austríaco,vem sintetizar na sua opinião pouco ou nada abalizada,que foi de grande mérito a atuação tática da sua equipa,que jogando com "os blocos baixos" e mais não sei o quê,e nem sei se estaria a falar de tudo menos de futebol,se terá desvendado o segredo do grande resultado que obtiveram.
Defendo o Fernando Santos,mesmo criticando algumas opções,como não poderia nunca deixar de ser,e também não me calo,porque ele não consegue assumir,como aconteceu com o Paulo Bento,a liderança de uma equipa,onde o chefe é ele,e não a vaidade dos endinheirados jogadores de futebol.
É mais que evidente,e mesmo que á distância de um clique apenas experimentado,que Cristiano Ronaldo,Pepe e Quaresma,são os mandões do balneário,e de tudo o que para lá deste se pode construir,e que se estes protagonistas até já potenciaram muito para moldarem as suas imagens,não deixam agora de tentar por tudo e por nada,que as suas vontades sejam satisfeitas,e em caso de insucesso coletivo,de se esconderem dos desajustamentos que eles próprios são responsáveis.
É verdade,o Cristiano,seria melhor que sorri-se menos,e cerrasse mais a vontade de elevar o nosso País para lá dos seus "tiques vaidosos",ao Pepe,já chega,a imagem de "charutada mental" que distribui por tudo e por nada,ao Quaresma,ainda que tenha estado bem,e seja o menos "culpado" desta "caldeirada infeliz" que coloca em dúvida as suas ultimas oportunidades de conquistar algo de transcendente para Portugal,como o fazem onde não "falam alto",e uma equipa é orientada por quem manda,e não por quem se quer que não o faça,não basta falar pausado,e hirto nas vértebras hipócritas.
Não basta "bater",é preciso ter coragem para carregar a verdade,e esse exercício,só o faz quem ama o Futebol,e não o abandona na essência que o criou,onde todos são iguais,pela importância de cada ação dentro das quatro linhas,sem que ninguém se esconda na hora de todos mais unidos ficarem,como quando eram miúdos,se valorizavam mutuamente na presença de cada um,pois que,caso contrário a peladinha das "pedras da calçada" já não era seria a mesma coisa. 
E meus amigos,o problema está mesmo aí,crescendo se pode conseguir chegar mais alto,mas esquecendo as suas raízes,é dar azo a uma traição de valores,que foram,e são aqueles que tanto fazem vibrar quem tanto acredita nos ídolos que não se quer, acabem agora com pés de barro.
Unam-se,e deixem-se de merdas,porque no primeiro jogo empatou-se com uma seleção surpresa,e pela positiva,no segundo jogo,empatou-se sem que a estrelinha brilhasse para a justiça do jogo.e por isso,agora há que dar as mãos,e "baixar a cabecinha" na hora de ouvir a palestra,porque afinal de contas,o Fernando Santos,também já provou no Futebol que não é tão "tosco" quanto isso.
Ou querem já ir buscar o Mourinho amanhã ?



CNC