Afinal a vida foi,é...e será sempre um desafio na sequência sólida de percorrer caminhos que se ajustem à reflexão equilibrada e tolerante, onde os projetos nunca acabem, e se definam cada vez mais naquilo que queremos ser, e não no que os outros querem que nós sejamos...
Perceber que refletir e concluir são atos que não podem estar confinados apenas ao reflexo daquilo que experimentamos sozinhos, ou obcecadamente vemos nos outros,caindo assim na tentação de criar verdades absolutas agarradas a pressupostos com falta de equilíbrio identificativo da nossa própria vontade...
Não podemos nem devemos querer para os outros aquilo que foram momentos nossos,e ajustados apenas e só para nós próprios...
Fazer crescer é educar e tentar ser amigo,é procurar limar com valores acrescentados os passos próprios de uma imaturidade pela qual quando jovens naturalmente passamos,e ou se está bem atento,ou então ficamos apenas por nossa conta,e isso pode ser muito perigoso...
Sinto sinceramente que os "meus" me olham com a admiração de quem foi livre de escolher o seu próprio caminho,com responsabilidade e dispensando cópias comportamentais,mas entendendo que a partir de uma "base experimentada" também podemos ramificar genuinamente o nosso próprio"eu"...
Só se vive uma vez,e tirar originalidade a um ser,é limitar as emoções que estavam reservadas para cada um,e isso eu penso que não é justo...

Custódio Cruz

Aprender com a nossa sombra,e fixar os olhos em outras...

Aprender com a nossa sombra,e fixar os olhos em outras...

sexta-feira, 17 de março de 2017

Inteligente de mais para ir para o céu...

Vive-se num  permanente processo evolutivo,e não há tempo para descontinuar o instinto da mente,se há luz de uma conquista se opõe uma outra dificuldade,é a sua própria razão que impulsiona a procura de um final que nunca o é,pois insaciável pela verdade que o assiste,só tolera para viver com os pés em terra,mas nunca para hipotecar a sua consciência.
O arrepio controla-se,mas como espaço refletivo para prosseguir num orgulho que por mais que o esconda,é o segredo para abraçar uma diferença que espanta,que convence e desafia quem não a aceita,e por isso não reflete o eco imediatista de uma conclusão que se imponha com a naturalidade das coisas.
O sonho centra-se quase sempre em encontrar o porquê e o que o justifique,mas quando o artificialismo se interpõe numa perfeição inconsequente,a revolta toma conta do seu mundo,porque por tão pouco,não se evolui em direção a um horizonte justo e convincente para com quem honra a verdade.
Contrariado e moribundo,mesmo que a fé se dissipe,é impensável que a derrota se imponha,e assim de olhos fixos no "corvo negro",segue-se-lhe o rasto numa derradeira investida,que não tem nada que saber,mas tem tudo com que quem o pensa,mas o pode perder sem apelo nem agravo.
Cismá-lo já é um pecado,deixar de profetizar a palavra de Deus é a maior cedência para com quem sempre viveu nesse desafio,porque por ser inteligente nunca lhe fez motivar a alma,ainda que esse extremo seja mais do que uma incógnita na certificação do bem que se deseja.
Restará também sempre uma fé,que se não se precipitar através da religião.o possa salvar com o que se é capaz,mesmo até que se perca o céu...

custcruz