Afinal a vida foi,é...e será sempre um desafio na sequência sólida de percorrer caminhos que se ajustem à reflexão equilibrada e tolerante, onde os projetos nunca acabem, e se definam cada vez mais naquilo que queremos ser, e não no que os outros querem que nós sejamos...
Perceber que refletir e concluir são atos que não podem estar confinados apenas ao reflexo daquilo que experimentamos sozinhos, ou obcecadamente vemos nos outros,caindo assim na tentação de criar verdades absolutas agarradas a pressupostos com falta de equilíbrio identificativo da nossa própria vontade...
Não podemos nem devemos querer para os outros aquilo que foram momentos nossos,e ajustados apenas e só para nós próprios...
Fazer crescer é educar e tentar ser amigo,é procurar limar com valores acrescentados os passos próprios de uma imaturidade pela qual quando jovens naturalmente passamos,e ou se está bem atento,ou então ficamos apenas por nossa conta,e isso pode ser muito perigoso...
Sinto sinceramente que os "meus" me olham com a admiração de quem foi livre de escolher o seu próprio caminho,com responsabilidade e dispensando cópias comportamentais,mas entendendo que a partir de uma "base experimentada" também podemos ramificar genuinamente o nosso próprio"eu"...
Só se vive uma vez,e tirar originalidade a um ser,é limitar as emoções que estavam reservadas para cada um,e isso eu penso que não é justo...

Custódio Cruz

Aprender com a nossa sombra,e fixar os olhos em outras...

Aprender com a nossa sombra,e fixar os olhos em outras...

segunda-feira, 13 de março de 2017

O teorema de Pitágoras verde e branco...

Já se sabia,e se sabe que não é fácil de gerir dois objetivos de Manutenção,com os juniores a tentarem reforçar o seu futuro e o do Clube.

Assim,dentro deste desafio final,se por um lado os sub 19 vão controlando os seus sonhos,já nos seniores,quem impulsiona a vontade pelo êxito em conjugação de esforços,depara-se com desajustamentos tão aceitáveis quanto previsíveis e indesejados..

Nos que entram,porque por exemplo jogaram no dia anterior,e nos que estão,porque também o nível de exigência competitiva é extrema,e concretizada em movimentos menos articulados,onde até "ventanias de toda a especie" podem complicar...

Para os mais novos(salvo seja...),nem tudo começou da melhor maneira,mas com o decorrer do tempo,brilhou o coletivo,e os golos não demoraram para marcar a diferença,acabando mesmo "o filme deste jogo" em apoteose,com o Guarda-Redes João Tiago,a subir no terreno para a marcação de um livre,e com a mestria de um predestinado,não se rogou no assinar da chapa 4 com que se "presenteou" o Oeiras.
Foto Ana Maria Pinto da Costa
No Domingo,e depois da vitória com o Alcanena,prolongou-se o tal sonho,e num jogo disputado com uma "ventosa enervante",os de V. Cernache,até levaram a bola a roçar os postes,mas em jeito de "quem não mata morre",foi o Toca a mandar calar o people(como ele tanto gosta !!!),com um estoiro cá de fora,e a fazer o 1-0 antes do intervalo...
Já na segunda parte,a vantagem no 2-0 acabou mesmo por surgir em jogada de bom entendimento,mas o pior mesmo foi depois,o 2-1 surgiu "por acidente" para os anfitriões,e a Naval não soube lidar com a pressão,caindo num desconsolo que os derrotou por expressivos 2-4.
Foto Ana Maria Pinto da Costa
A luta continua,e se a uns se espera que mais facilmente permaneçam nos Nacionais,a outros,se apela a que o orgulho com que têm brindado os Navalistas neste final de época, se mantenha na atitude e na vontade de elevar a Naval à honra com que merece ser respeitada.
custcruz