Afinal a vida foi,é...e será sempre um desafio na sequência sólida de percorrer caminhos que se ajustem à reflexão equilibrada e tolerante, onde os projetos nunca acabem, e se definam cada vez mais naquilo que queremos ser, e não no que os outros querem que nós sejamos...
Perceber que refletir e concluir são atos que não podem estar confinados apenas ao reflexo daquilo que experimentamos sozinhos, ou obcecadamente vemos nos outros,caindo assim na tentação de criar verdades absolutas agarradas a pressupostos com falta de equilíbrio identificativo da nossa própria vontade...
Não podemos nem devemos querer para os outros aquilo que foram momentos nossos,e ajustados apenas e só para nós próprios...
Fazer crescer é educar e tentar ser amigo,é procurar limar com valores acrescentados os passos próprios de uma imaturidade pela qual quando jovens naturalmente passamos,e ou se está bem atento,ou então ficamos apenas por nossa conta,e isso pode ser muito perigoso...
Sinto sinceramente que os "meus" me olham com a admiração de quem foi livre de escolher o seu próprio caminho,com responsabilidade e dispensando cópias comportamentais,mas entendendo que a partir de uma "base experimentada" também podemos ramificar genuinamente o nosso próprio"eu"...
Só se vive uma vez,e tirar originalidade a um ser,é limitar as emoções que estavam reservadas para cada um,e isso eu penso que não é justo...

Custódio Cruz

Aprender com a nossa sombra,e fixar os olhos em outras...

Aprender com a nossa sombra,e fixar os olhos em outras...

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Eu,o meu passado,e a agonia com que observo o presente do Desporto Figueirense...


Muito difícil,é para mim perceber as guerras que se alimentam entre instituições que são muito mais do que as pessoas que por lá passam,e até mesmo,tentar vislumbrar uma linha de entendimento,onde os valores de uma comunidade que se cruza diariamente nos cantos e recantos de uma cidade e de um concelho,não se solidariarizem tocados pela importância que as novas gerações podem ter no destino da nossa terra.

As crianças da Naval,do Ginásio,ou de que clube for deste retiro à beira mar plantado,querem continuar a ter os seus amigos,escolhidos por si próprios,e sentindo que crescem sem as amarras de rivalidades doentias e criadas para dividir,onde mentes possuídas por histórias de ódio e frustração,não se conformam com as suas derrotas,e as tentam resgatar e transformar em vitórias que lhes salvem a face,e quiçá,custe o que custar,lhes dê uma razão que eles também sabem que não têm,mas que servirá para justificar o injustificável das supremacias coloridas,que deveriam ser isso,e só isso mesmo,e não causadoras de traições à Família Figueirense.
Eu nasci na Figueira,pratiquei desporto nas Abadias,no parque de estacionamento do Touril,no Seminário,na praia de Buarcos,no Largo da má Língua,no Cabo Mondego,no campo Sotto Maior,no campo das Acácias,na Fontela,na Cova-Gala,enfim,em vários palcos onde grupos de amigos tudo faziam para se sobrepor uns aos outros,mas apenas no resultado de um encontro onde afinal de contas "a terceira parte" era o melhor do jogo,porque a "bola redonda"conseguia saltar para o recreio da escola,para a sala de convívio,ou mesmo para os cantos de uma qualquer rua ,e ali podíamos dirimir as incidências que nos derrotaram ou deram a vitória,mas nunca esquecendo os bons valores que equilibravam a vida,e uniam amigos em prol daquilo que queríamos nunca acabasse,ou seja,o cruzamento de sonhos que afinal de contas elevavam o nome de uma só terra aos píncaros do desejo.


Pratiquei Futebol,Basquetebol,Atletismo,Andebol,Rugby,Natação,Xadrez,e sei lá que mais...
Um na Naval,outro no Sporting Figueirense,e até Natação na piscina do Ginásio,e com isso conheci figuras inesquecíveis do panorama desportivo Figueirense,tais como o Professor Borronha Gonçalo,enorme dinamizador do desporto na Figueira,e que se bem me lembro era adepto do Ginásio,se bem também que só alimento essa minha memória pelo facto de nos jogos deste clube o ver bem próximo no seu apoio.
O certo,era que este Senhor,que na altura assegurava o pelouro do Desporto na Câmara Municipal,era de uma imparcialidade e respeito no trato objetivo de cada clube,ou mesmo nos anseios do desporto de rua,e ao contrário de fomentar divisões,era um exemplo na ação pedagógica ao serviço da Figueira,apresentado obra no terreno,e unindo os Figueirenses da Cidade ao Concelho.
Hoje assiste-se ao que se assiste,as pessoas vivem dividas e não pensam no mais importante,os Figueirenses afastam-se de si próprios,e deixam que os pseudo-líderes do Desporto da nossa terra,puna os que menos merecem,e tudo porque os interesses pessoais e económicos se continuam a sobrepor ao verdadeiro serviço público.
Lá para a frente,
 voltarei ao assunto de forma mais objetiva e esclarecedora,
pois quero estar mais perto "do tempo das escolhas",
 e participar na esperança de ajudar a escolher o melhor trilho para a juventude Figueirense...
Contem comigo...

custcruz