Afinal a vida foi,é...e será sempre um desafio na sequência sólida de percorrer caminhos que se ajustem à reflexão equilibrada e tolerante, onde os projetos nunca acabem, e se definam cada vez mais naquilo que queremos ser, e não no que os outros querem que nós sejamos...
Perceber que refletir e concluir são atos que não podem estar confinados apenas ao reflexo daquilo que experimentamos sozinhos, ou obcecadamente vemos nos outros,caindo assim na tentação de criar verdades absolutas agarradas a pressupostos com falta de equilíbrio identificativo da nossa própria vontade...
Não podemos nem devemos querer para os outros aquilo que foram momentos nossos,e ajustados apenas e só para nós próprios...
Fazer crescer é educar e tentar ser amigo,é procurar limar com valores acrescentados os passos próprios de uma imaturidade pela qual quando jovens naturalmente passamos,e ou se está bem atento,ou então ficamos apenas por nossa conta,e isso pode ser muito perigoso...
Sinto sinceramente que os "meus" me olham com a admiração de quem foi livre de escolher o seu próprio caminho,com responsabilidade e dispensando cópias comportamentais,mas entendendo que a partir de uma "base experimentada" também podemos ramificar genuinamente o nosso próprio"eu"...
Só se vive uma vez,e tirar originalidade a um ser,é limitar as emoções que estavam reservadas para cada um,e isso eu penso que não é justo...

Custódio Cruz

Aprender com a nossa sombra,e fixar os olhos em outras...

Aprender com a nossa sombra,e fixar os olhos em outras...

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Uma passadeira que dá e tira futuro...



Triste,muito triste,cada vez mais revoltado por ver a mentira a vingar,por sentir que não se sendo perfeito,não são as imperfeições que me condenam aos olhos de quem vitima também é,por não terem acesso à verdade,e apenas considerar uma imagem que se encaixa muito no que se quer,mas em nada do que quem conhece,e aceita como possível.
Dói muito,cruzar-.me com funcionários camarários,que antes me cumprimentavam abertamente,e agora me ignoram,ou por pena me dão um discreto sinal.
Nunca conheci,nem senti o ódio,mas confesso que desta vez,este me toca em sucessivas conquistas assustadoras,mesmo que na minha vida já tenha tido bem pior para me atormentar a alma,creio que seja por estar exausto,me sinto por vezes perdido,e ignorando soluções com que muito bem sei lidar,e perdendo-me em ecos de raiva,que serviriam a preceito "os Diabos" desta vida,que não olham a meios para atingir os fins,e se propõem a seguir em frente sob a proteção malévola de um pressuposto artificialismo erudito,que nem o é,e pelo contrário,nem outra interpretação tem que a da verdadeira mentira.
Um processo de contra-ordenação,oitocentos euros(coima histórica) aplicados a alguém com uma insuficiência económica capaz de se perder na sua orientação de vida,provocações sucessivas no espaço por "marionetes de coleção",que procuram apressar o desidrato mais desejado de quem socializa pela noite "em casinos",e talvez por isso não se liberte de jogos,mesmo que estes façam parte da vida,mas no todo,provavelmente proporcionam suspeitas no bem que se devia querer em sentido de justiça.
Um processo de contra-ordenação,que reúne "provas"com datas de acusação sem certificação legal,nem circunstancial,que amontoa outras ocorrências de há mais de quatro anos,quando o outro Regulamento,o de 2009,não prevê qualquer tipo de acumulação de cadastro relativamente aos concessionários,e muito pior do que isso,certificando-as como punitivas,para comigo,quando não tiveram qualquer tipo de trajeto legal,nem interno,nem judicial,e o que não aconteceu,por condescendência da minha pessoa,perante um interveniente que me agrediu moralmente.
Um processo de contra-ordenação,onde são convocadas testemunhas de forma arbitrária e sob,coação não propositada,digo eu,por multas elevadíssimas em caso de negação,e previstas no novo Regulamento de 2016,tendo ainda como prova dessa arbitrariedade,a escolha por exemplo de duas testemunhas,que nem conhecimento tiveram de qualquer ocorrência,que foram arroladas,e que sustentaram as acusações da contra-ordenação,e que agora estão dispostas a testemunhar contra quem as envolveu naquilo que não têm qualquer conhecimento.
Há.pois...afinal a data para recorrer estava atempadamente legal,e assim,só me falta saber a mim,em que "esfera de justiça" vai ser julgado este processo,embora que ,eu não perceba nada disto,mas nada mesmo,e assim deixo essa incumbência à minha Advogada,que tem conhecimento de todos estes factos.
Enfim,..

Prefiro ir desabafando neste meu blog com os meus amigos,ainda que com isto,já poderão ter conseguido que estes sejam menos,e também com aqueles que aqui vierem,e me deem a oportunidade de acreditar em mim,e com os outros,que não me conhecendo,saibam destrinçar o que escrevo e sinto,da hipocrisia e falsidade que não faz parte da minha conduta.
Vou tentar dar continuidade a uma luta que não me deixe refugiar no silencio da malvadez,e assim,controlando as minhas emoções,ser mais forte dos que me querem fazer a folha.

Mercado Engenheiro Silva,sempre e para sempre..