Afinal a vida foi,é...e será sempre um desafio na sequência sólida de percorrer caminhos que se ajustem à reflexão equilibrada e tolerante, onde os projetos nunca acabem, e se definam cada vez mais naquilo que queremos ser, e não no que os outros querem que nós sejamos...
Perceber que refletir e concluir são atos que não podem estar confinados apenas ao reflexo daquilo que experimentamos sozinhos, ou obcecadamente vemos nos outros,caindo assim na tentação de criar verdades absolutas agarradas a pressupostos com falta de equilíbrio identificativo da nossa própria vontade...
Não podemos nem devemos querer para os outros aquilo que foram momentos nossos,e ajustados apenas e só para nós próprios...
Fazer crescer é educar e tentar ser amigo,é procurar limar com valores acrescentados os passos próprios de uma imaturidade pela qual quando jovens naturalmente passamos,e ou se está bem atento,ou então ficamos apenas por nossa conta,e isso pode ser muito perigoso...
Sinto sinceramente que os "meus" me olham com a admiração de quem foi livre de escolher o seu próprio caminho,com responsabilidade e dispensando cópias comportamentais,mas entendendo que a partir de uma "base experimentada" também podemos ramificar genuinamente o nosso próprio"eu"...
Só se vive uma vez,e tirar originalidade a um ser,é limitar as emoções que estavam reservadas para cada um,e isso eu penso que não é justo...

Custódio Cruz

Aprender com a nossa sombra,e fixar os olhos em outras...

Aprender com a nossa sombra,e fixar os olhos em outras...

segunda-feira, 3 de abril de 2017

Que grande Macacada...



O Futebol foi assaltado por tudo aquilo tomou conta de um País,tudo o que provoca esquecimentos uns atrás dos outros,mas que dá tanto dinheiro e destrói cérebros por conveniência...
Este mundo está perdido,porque entre a mentira e a verdade,o pior mesmo é que existe muito fumo nestas carolas desmioladas.
A Justiça neste País não funciona de forma capaz,muitos dos que defendem um cliente,fazem acreditar em tudo o que for preciso para o ilibar,quem executa a lei,filosofa a torto e a direito para não encontrar "uma linha reta",e um dia destes esta figurinha deprimente volta a estar em cena,se possível a sorrir deste vídeo,sendo mesmo idolatrado pelos ultras falsificados na alma.




MaisFutebol cita uma entrevista à SIC e escreve que o jogador não se lembra de ter dado uma "joelhada" ao árbitro. De agarrar, sim. Mas não da agressão.
"Não me lembro de o ter agredido. Foi o empurra aqui e ali. Lembro-me de agarrar o árbitro, mas não sei como aconteceu aquilo. Você [para a jornalista da SIC] está a dizer que foi uma joelhada... talvez fosse. Se for esse o caso, eu queria mesmo pedir desculpa ao árbitro, à respetiva família e aos portugueses", explicou Marco Gonçalves.
Apesar do incidente, o avançado de 34 anos considera que foi indevidamente admoestado pela entrada que lhe valeu o cartão vermelho e consequente expulsão. Além de que tudo se desencadeou porque o adversário terá partido para a ofensa verbal.
"Disse-me: 'Seu filho da p***. Morte à tua mãe!' Pegámo-nos aí, meti-lhe o braço e ele atira-se para o chão, como os bebés fazem, a chorar. O senhor árbitro começa então a correr em direção a mim, do nada, e saca logo do vermelho", justificou.

Lembra-se de tudo...mas depois apagou-se...