Afinal a vida foi,é...e será sempre um desafio na sequência sólida de percorrer caminhos que se ajustem à reflexão equilibrada e tolerante, onde os projetos nunca acabem, e se definam cada vez mais naquilo que queremos ser, e não no que os outros querem que nós sejamos...
Perceber que refletir e concluir são atos que não podem estar confinados apenas ao reflexo daquilo que experimentamos sozinhos, ou obcecadamente vemos nos outros,caindo assim na tentação de criar verdades absolutas agarradas a pressupostos com falta de equilíbrio identificativo da nossa própria vontade...
Não podemos nem devemos querer para os outros aquilo que foram momentos nossos,e ajustados apenas e só para nós próprios...
Fazer crescer é educar e tentar ser amigo,é procurar limar com valores acrescentados os passos próprios de uma imaturidade pela qual quando jovens naturalmente passamos,e ou se está bem atento,ou então ficamos apenas por nossa conta,e isso pode ser muito perigoso...
Sinto sinceramente que os "meus" me olham com a admiração de quem foi livre de escolher o seu próprio caminho,com responsabilidade e dispensando cópias comportamentais,mas entendendo que a partir de uma "base experimentada" também podemos ramificar genuinamente o nosso próprio"eu"...
Só se vive uma vez,e tirar originalidade a um ser,é limitar as emoções que estavam reservadas para cada um,e isso eu penso que não é justo...

Custódio Cruz

Aprender com a nossa sombra,e fixar os olhos em outras...

Aprender com a nossa sombra,e fixar os olhos em outras...

terça-feira, 13 de setembro de 2016

Os ecos mais tranquilos e discernidos do ultimo Naval /Académica em Juniores...

Ouvi dizer e o meu instinto diz-me também,que a Naval 1º de Maio em juniores surpreendeu na primeira parte,evidenciando uma qualidade que não é feita de rótulos,mas do valor efetivo dos seus jogadores e de quem os orienta. 
E isto perante uma Académica que só pode ser a imagem do seu treinador,que idealiza e sonha ao mesmo tempo,que arrepia e transporta caminhos com uma atitude vencedora,que brilha mais do que tem pecados,mas desta feita,foi mesmo na área emocional que se lançaram contas numéricas que podiam destroçar o onze,mas mesmo sem este numero,foi mais forte a persistência e a abnegação da "alma das capas negras",que tanto choram,como voam,em direção ao firmamento de uma estrela merecida só para quem acredita sempre...
Desenganem-se no entanto os que pensam que a Naval é uma equipa qualquer,pelo contrário,tem tido um crescimento sustentado na "pirâmide mágica",e se até ao seu mestre tem surpreendido,ninguém deseje um ou outro clube para ser feliz,pois diz-me a voz da experiência,que é com os caminhos menos esperados,que a surpresa até de nós toma conta,que os focos iluminam quem não desiste de ser grande,e quando dá por ela,a sua dimensão é mesmo enorme,e marcada pelos melhores resultados. 
Depois,sim depois...e ó muito me engano,o deslumbramento possuído pela humildade excessiva,tomou conta de quem estava mais próximo da vitória,e assim os jovens Navalistas,caíram na 2ª parte numa retração que lhe fez ofuscar um talento que sem audácia não marca a diferença,e se arrisca à aniquilação de quase todos os seus labores. 
Seus putos de sonhos mil,não fiquem tristes com o que não ganharam no sábado,mas sim fiquem felizes com a lição que aprenderam,e a partir de agora,se quiserem anotem estes humildes pensamentos: 


O risco tem que estar sempre presente dentro de nós,e é no controlo de emoções que o segredo se expõe para se ser melhor,que o digam os do Mister Luis Miguel,que tão bem o souberam fazer uma semana antes,e contra o Benfica,e agora se "atrapalharam" perante uma revitalizada "alma navalista". 
Rendendo-me ao valor das duas formações,que assim escreveram mais uma página de uma história que tem tudo a ver com o futebol,mas que não se dissociou da força que um Derby pode catapultar no cruzamento de dois grandes emblemas do Distrito de Coimbra. 
Abraço para todos,e desculpem lá o "atrevimento" dos palpites sobre aquilo que não vi,e acreditando mesmo nos méritos dos academistas principalmente na 2ª parte,um empate vale o que vale,mas diz de certo muito do equilíbrio de valores entre uma e outra equipa. 
Pois...é isso : 
Colocar de parte o risco...é levar boladas a torto e direito,e mesmo acreditando na sorte,pode não compensar no querer com que devemos viver a vida . 
Olhem,eu arrisco no que posso em cada momento,e sem nunca abdicar de o fazer,quem sabe não tenho só a sorte pelo meu lado naquilo que acabei de escrever.
Parabéns,e mais uma vez,outro abraço para as duas equipas...
 Custcruz