Afinal a vida foi,é...e será sempre um desafio na sequência sólida de percorrer caminhos que se ajustem à reflexão equilibrada e tolerante, onde os projetos nunca acabem, e se definam cada vez mais naquilo que queremos ser, e não no que os outros querem que nós sejamos...
Perceber que refletir e concluir são atos que não podem estar confinados apenas ao reflexo daquilo que experimentamos sozinhos, ou obcecadamente vemos nos outros,caindo assim na tentação de criar verdades absolutas agarradas a pressupostos com falta de equilíbrio identificativo da nossa própria vontade...
Não podemos nem devemos querer para os outros aquilo que foram momentos nossos,e ajustados apenas e só para nós próprios...
Fazer crescer é educar e tentar ser amigo,é procurar limar com valores acrescentados os passos próprios de uma imaturidade pela qual quando jovens naturalmente passamos,e ou se está bem atento,ou então ficamos apenas por nossa conta,e isso pode ser muito perigoso...
Sinto sinceramente que os "meus" me olham com a admiração de quem foi livre de escolher o seu próprio caminho,com responsabilidade e dispensando cópias comportamentais,mas entendendo que a partir de uma "base experimentada" também podemos ramificar genuinamente o nosso próprio"eu"...
Só se vive uma vez,e tirar originalidade a um ser,é limitar as emoções que estavam reservadas para cada um,e isso eu penso que não é justo...

Custódio Cruz

Aprender com a nossa sombra,e fixar os olhos em outras...

Aprender com a nossa sombra,e fixar os olhos em outras...

domingo, 27 de dezembro de 2009

Ter tacho ou não ter...


Há muito tempo pensava criar mais um "retiro espiritual" na minha vida e por isso mesmo fiz surgir este"Voar nas asas do tempo"...
Confesso no entanto, que com o desaparecimento primeiro da minha mãe e depois(logo a seguir...)do meu pai,não consegui ainda "sobrevoar" outros tempos da minha existência vivida até hoje, feita também de alegrias e memórias inesquecíveis...
A minha alma está carente de determinados ajustes...que de certo permitirão que muito brevemente possa retomar "o meu trilho"...
Um trilho que vai voltar a não agradar a quem "aposta" nesta "triste desgraça" para que eu mude a preceito, que nem "papagaio repetitivo" ou "burro amestrado"...
Sim...porque os burros de burros só tem o nome...de resto só o são porque são obrigados...
E a mim quem me vai obrigar?...
Olhem bem para a foto que vos trago hoje...
Sabem quem são aquelas "pessoas" que ali estão felizes num cubículo que para "alguns" seria deprimente e sem conforto?...
Nem mais nem menos que um tio meu,o meu pai e eu próprio...
Lá está o tanque de lavar roupa onde minha mãe "fazia ginástica",e por vezes me apercebia que esfregava e torcia com um "vigor diferente" consoante a "vida lhe corria de feição ou não"...
O chão não era própriamente "alcatifado",mas o certo é que era "fresquinho" para "amainar" o calor do radioso sol que por ali entrava sem pedir licença... aquecendo-nos o corpo e a alma... e dando brilho aos nossos corações...
Parecia um jogo aquele que meu pai fazia com o meu tio, vendo cada um, quem mais castanhas retalhava e mais depressa enchia o cesto de verga seca e rebatida pelo tempo...
Ao outro dia... "Eram quentes e boas..."e ajudavam o sustento de vidas sérias,verdadeiras e acreditem... bem mais felizes do que as de amigos meus que na altura viviam em palacetes...e que iam mais vezes a minha casa do que eu à deles...
Estranho mas era verdade...
Quanto a mim...
Bem...
Por ali brincava feliz de colher à boca e em volta do tacho...
Ainda me lembro de tudo isto e sinto bem o que vos estou a contar,mas agora faço uma reflexão irónica sobre como materializei o meu "eu" até hoje, dando "valor... aos valores..."e não há facilidade de sobreviver quiçá à volta de "algum tacho"que me retirariam consoante o meu "bom ou mau" comportamento de conveniência padronizada...
Ser feliz ou não...eis a questão...
E tu és feliz?....
Já sentiste a felicidade "repartida" com os "outros"?...
Já sorriste e choraste sem ser "surpreendido" por qualquer um destes sentimentos?...
A vida é feita de tristezas e alegrias,e quem não provar dos "odores e sabores do mundo",tem muito mais dificuldade em ser verdadeiramente feliz...
CNC