Afinal a vida foi,é...e será sempre um desafio na sequência sólida de percorrer caminhos que se ajustem à reflexão equilibrada e tolerante, onde os projetos nunca acabem, e se definam cada vez mais naquilo que queremos ser, e não no que os outros querem que nós sejamos...
Perceber que refletir e concluir são atos que não podem estar confinados apenas ao reflexo daquilo que experimentamos sozinhos, ou obcecadamente vemos nos outros,caindo assim na tentação de criar verdades absolutas agarradas a pressupostos com falta de equilíbrio identificativo da nossa própria vontade...
Não podemos nem devemos querer para os outros aquilo que foram momentos nossos,e ajustados apenas e só para nós próprios...
Fazer crescer é educar e tentar ser amigo,é procurar limar com valores acrescentados os passos próprios de uma imaturidade pela qual quando jovens naturalmente passamos,e ou se está bem atento,ou então ficamos apenas por nossa conta,e isso pode ser muito perigoso...
Sinto sinceramente que os "meus" me olham com a admiração de quem foi livre de escolher o seu próprio caminho,com responsabilidade e dispensando cópias comportamentais,mas entendendo que a partir de uma "base experimentada" também podemos ramificar genuinamente o nosso próprio"eu"...
Só se vive uma vez,e tirar originalidade a um ser,é limitar as emoções que estavam reservadas para cada um,e isso eu penso que não é justo...

Custódio Cruz

Aprender com a nossa sombra,e fixar os olhos em outras...

Aprender com a nossa sombra,e fixar os olhos em outras...

sábado, 14 de agosto de 2010

Vai começar o "pontapé na bola,e o meu entusiasmo é...ZERO...


A "inclinação" do Futebol abriu para mim a forma de saída, e de facto o tempo passa sem que me lembre sinceramente se bati mesmo com a porta ou não...
Vai começar o Futebol que perdeu adeptos e ninguém sabe ou não querem admitir a verdadeira razão,vai começar o "pontapé na bola" onde as arbitragens são lideradas sempre pelos mesmos "macacos"que teimam em apresentar as mesmas figuras nos "jogos chave",e não arriscando a novidade,a audácia ou nem mesmo a capacidade de inovar,perdendo mesmo a oportunidade de credibilizar um sector,onde o senhor Vítor Pereira tem jogado com as nomeações em critérios análogos a um passado recente de triste recordação...
Vai começar "o vício do povo"(que cada vez o é menos),e que tem um presidente de Federação que por mais asneiras que faça,sai sempre incólume de qualquer culpa no cartório...
Vai começar "um tal futebol",onde uma Liga Profissional falha na "autoridade" e pedagogia que possa renovar uma modalidade de amores muitos,mas cada vez com ódios a mais...
É isso mesmo,vai começar "o jogo da distracção" que muitos políticos deste país agradecem como aparição, ou seja,aquele das simulações,das agressões mal penalizadas,dos empurrões e tristes cenas que apenas entretêm...
Vai começar "um teatro" onde "alguns" Dirigentes Desportivos passam a vida a "palrar",armados em psicólogos intelectualizados,e sempre no intuito de jogar com a confusão de quem não tem personalidade e se deixa embalar por barulhos desmobilizadores da verdade pura.
Meus senhores, vai começar o Futebol Português,e eu fico na esperança de que a modalidade pela qual um dia me apaixonei,alguma vez regresse sã e salva de uma selva que se adensou de há uns tempos para cá,e que  tem destruído o virtuosismo puro da beleza desta modalidade...
Se calhar não bati mesmo com a porta,e vou continuar a sonhar,se calhar!!!!!!!!