Afinal a vida foi,é...e será sempre um desafio na sequência sólida de percorrer caminhos que se ajustem à reflexão equilibrada e tolerante, onde os projetos nunca acabem, e se definam cada vez mais naquilo que queremos ser, e não no que os outros querem que nós sejamos...
Perceber que refletir e concluir são atos que não podem estar confinados apenas ao reflexo daquilo que experimentamos sozinhos, ou obcecadamente vemos nos outros,caindo assim na tentação de criar verdades absolutas agarradas a pressupostos com falta de equilíbrio identificativo da nossa própria vontade...
Não podemos nem devemos querer para os outros aquilo que foram momentos nossos,e ajustados apenas e só para nós próprios...
Fazer crescer é educar e tentar ser amigo,é procurar limar com valores acrescentados os passos próprios de uma imaturidade pela qual quando jovens naturalmente passamos,e ou se está bem atento,ou então ficamos apenas por nossa conta,e isso pode ser muito perigoso...
Sinto sinceramente que os "meus" me olham com a admiração de quem foi livre de escolher o seu próprio caminho,com responsabilidade e dispensando cópias comportamentais,mas entendendo que a partir de uma "base experimentada" também podemos ramificar genuinamente o nosso próprio"eu"...
Só se vive uma vez,e tirar originalidade a um ser,é limitar as emoções que estavam reservadas para cada um,e isso eu penso que não é justo...

Custódio Cruz

Aprender com a nossa sombra,e fixar os olhos em outras...

Aprender com a nossa sombra,e fixar os olhos em outras...

sábado, 7 de maio de 2016

Juniores da Naval ajustam emoções,e sobem ao mais alto patamar do Futebol Português...

Fotos Ana Maria Pinto da Costa

Emocionante,como de uma perspetivava de um naufrágio da equipa Junior da Naval 1º de Maio,não existiu mar suficiente que do céu caísse e afogá-se o sonho destes extraordinários jovens Navalistas,que numa reviravolta estonteante e concretizada com uma enorme alma,orgulharam quem a Naval sente,e a Figueira adora.
Ainda assim,o destino é tantas vezes frio e insensível para com quem tanto luta,e que tanto como neste exemplo mereceu,que depois mesmo de uma reviravolta para 2-3,com 0-2 antes do intervalo,voltou a fazer mergulhar os "verde e brancos",que hoje procuraram "a sorte entre o verde e o negro",para uma aparente e fatal frustração,maior ainda do que aquela que já se afigurava tremendamente injusta,quando o Marítimo numa descida esporádica e durante esta 2ª parte,concretizou um 3-3 que lhe servia a preceito.
Pois é,mas os pupilos de Marinho Serpa,talvez tenham pensado que não queriam a todo custo ficar a derramar lágrimas no final do jogo,a lamentar a falta de audácia que tanto não mostraram com a reviravolta do segundo tempo,e como que respirando fundo,e controlando as suas emoções mais endiabradas,aproveitaram "a vida deste jogo", no tempo que lhes faltava,e atacaram confiantes com o talento mais que certificado ao longo da época,chamando Nuno André a protagonizar o papel de um herói,que representou e traduziu uma só alma,composta por todos aqueles que só sendo uma verdadeira equipa,podiam fazer e continuar a escrever a história da Centenária Naval 1º de Maio e através dos cometimentos que obtivessem.
Nuno André,correu para a bola,e com a sua calminha,não perdoo,fazendo soltar emoções aos quatro cantos de um "Bento Pessoa",tão familiarizado com os brilhos das estrelas conquistadas num universo de glória,que hoje voltaram a soar e a piscar,e mais uma vez entre a áurea da velhinha e respeitosa,Associação Naval 1º de Maio da Figueira da Foz.
Parabéns Rapazes,vocês provaram de forma plena,que "O Homem que não controla as suas emoções,nunca será melhor que o outro...
"Viva a Naval...viva a Figueira...
E pronto...agora vamos "tomar conta" dos Seniores.