Afinal a vida foi,é...e será sempre um desafio na sequência sólida de percorrer caminhos que se ajustem à reflexão equilibrada e tolerante, onde os projetos nunca acabem, e se definam cada vez mais naquilo que queremos ser, e não no que os outros querem que nós sejamos...
Perceber que refletir e concluir são atos que não podem estar confinados apenas ao reflexo daquilo que experimentamos sozinhos, ou obcecadamente vemos nos outros,caindo assim na tentação de criar verdades absolutas agarradas a pressupostos com falta de equilíbrio identificativo da nossa própria vontade...
Não podemos nem devemos querer para os outros aquilo que foram momentos nossos,e ajustados apenas e só para nós próprios...
Fazer crescer é educar e tentar ser amigo,é procurar limar com valores acrescentados os passos próprios de uma imaturidade pela qual quando jovens naturalmente passamos,e ou se está bem atento,ou então ficamos apenas por nossa conta,e isso pode ser muito perigoso...
Sinto sinceramente que os "meus" me olham com a admiração de quem foi livre de escolher o seu próprio caminho,com responsabilidade e dispensando cópias comportamentais,mas entendendo que a partir de uma "base experimentada" também podemos ramificar genuinamente o nosso próprio"eu"...
Só se vive uma vez,e tirar originalidade a um ser,é limitar as emoções que estavam reservadas para cada um,e isso eu penso que não é justo...

Custódio Cruz

Aprender com a nossa sombra,e fixar os olhos em outras...

Aprender com a nossa sombra,e fixar os olhos em outras...

quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Estou no meu bunker...dizem que vai ser muitas vezes assim.....



Parar para pensar,reflectir para voltar a caminhar...

Pois, o certo é que precisamos por vezes de olhar à nossa volta e "desafiar os fantasmas" que a nossa alma atormentam,e ao mesmo tempo se aproveitam de um ser debilitado pela falta da raiz que lhe amparava o seu destino,pois,eu sei...já me disseram que vai ser muitas vezes assim...
Nem damos por nada,e caímos num silêncio cortante,voamos num passado longínquo que até parece que foi ontem,mas já foi há muito tempo,não acreditamos no que se passou mas na verdade "eles" "já por cá não estão...
As lágrimas caem sem pressa e em cristais frios,o coração fica pequenino e encolhido no sofrimento,alumiamos a na nossa mente com aquelas doces faces que eram o rosto da nossa transparência,ficamos em silêncio sem nos apetecer dizer nem fazer mais nada...
Estou com saudades da minha mãe e do meu pai,e por isso apetece-me ficar por aqui,aconchegado por estas "quatro paredes" que são o meu "Bunker",que por mais humilde que seja é o cantinho que é meu,e onde caio e me levanto,onde sofro e me alegro,onde choro e sorrio,onde ganho a força para continuar a viver sendo fiel a lições que eles me ensinaram,mas confesso,tenho cada vez mais dificuldades em as colocar em prática...
Ainda assim,sei que o vou conseguir,porque sou demasiado forte para calcar os caminhos de fraqueza humana.
O silêncio dar-me-à a paz de espírito,e amanhã,de alma renovada seguirei o meu caminho como eles o fizeram...